Gestão de Fornecedores

A gestão de fornecedores consiste em diversos processos de gerenciamento e integração de todos os elementos necessários para se ter uma cadeia produtiva, como matéria-prima, suprimentos e produtos intermediários.

A cadeia de fornecedores é uma parte estratégica dos negócios de qualquer organização, pois ela impacta diretamente a produção, a qualidade, a quantidade e o preço do produto de uma empresa. Por isso, é indispensável um bom gerenciamento da cadeia de fornecedores, além de um bom relacionamento, para manter vantagem competitiva no mercado.

O avanço das tecnologias e a globalização trazem, como consequência, não só a possibilidade de contratar fornecedores de qualquer lugar do mundo, como também a redução do ciclo de vida de materiais e produtos.

E esses são mais alguns motivos pelos quais a seleção, a avaliação e a homologação de fornecedores devem ser cada vez mais criteriosas.

De acordo com alguns teóricos da administração, a seleção e a gestão da cadeia de fornecedores das organizações devem ser um processo da área de compras da empresa. S e g u n d o P o z o ( 2 0 0 0 , p . 1 3 9 ) , e s s e  p r o c e s s o d e c o m p r a s c o m p r e e n d e a s s e g u i n t e s a t i v i d a d e s  c e n t r a i s :

 

  • assegurar descrição completa das necessidades;
  • selecionar fontes de suprimentos;
  • conseguir informações de preço;
  • colocar os pedidos (ordens de compras);
  • acompanhar (follow up) os pedidos;
  • veri_car notas _scais (e romaneios respectivos);
  • manter registros e arquivos;
  • manter relacionamento com vendedores.

 

De uma maneira muito simplificada, podemos dizer que o p r o c e s s o de gestão de fornecedores consiste em três  passos básicos, conforme mostramos a seguir.

 

Passo 1: seleção de fornecedores

Como selecionar, avaliar e homologar a escolha dos fornecedores são os primeiros passos para uma boa gestão de supply chain.

O processo de seleção de fornecedor não é simples. A complexidade aumenta em função das características do item ou serviço a ser comprado. O ato de comprar deixou de ser simplesmente o de efetuar uma cotação de preços.

Além dos indicadores básicos para escolher quem serão seus fornecedores – preço, prazo de entrega e qualidade, há alguns outros fatores que merecem atenção.

 

  • single sourcing – fornecedores exclusivos para
  • determinados produtos;
  • multiple sourcing – vários fornecedores para um
  • mesmo produto;
  • global sourcing – fornecedores internacionais;
  • rede de fornecedores – rede constituída de

 

poucos fornecedores diretos (de primeiro nível) e de uma base maior de fornecedores indiretos, que “fornecem para seus fornecedores” (de segundo e terceiro níveis). Habilidade técnica: o fornecedor deve ter capacidade de atender às especificações técnicas exigidas.

Capacidade produtiva: produzir a quantidade acordada dentro do prazo determinado, livre de defeitos.

Confiabilidade: além de confiável, o fornecedor deve ter estabilidade financeira, reputação sólida. Pós-venda: ter um bom atendimento e suporte técnico para auxiliar a organização, caso haja algum problema com o produto.

Localização: proximidade e facilidade de acesso

Localização: proximidade e facilidade de acesso são importantes para atender às demandas da empresa.

Preço: o preço precisa ser competitivo, mas não significa que deve ser o mais baixo e sim, o com o melhorcusto-benefício.

 

Passo 2: homologação de fornecedores

Após selecionar e avaliar seus fornecedores, é preciso homologá-los, ou seja, confirmar que eles atendem às necessidades da sua organização. Esse processo recebe vários nomes, como qualificação, certificação, cadastro.

É também é o momento em que se confirma um contrato como os fornecedores. No entanto, mais do que fechar um acordo comercial, é preciso estabelecer uma relação de confiança, transparência e parceria.

Para ser homologado, um fornecedor precisa:

 

  • comprovar sua capacidade técnica;
  • estar em dia com exigências sociais, possuir
  • e s t a b i l i d a d e fi n a n c e i r a  e  p r o d u t i v a ;
  • estar de acordo com a política de compliance dasua empresa.

 

Outro dado importante sobre a homologação é que não, necessariamente,

ela deve ser documental. Dependendo da criticidade do produto ou serviço, a homologação precisa ser complementada com auditorias em campo.

 

Passo 3 – monitoramento e avaliação de desempenho dos fornecedores

Mas a gestão de fornecedores não está somente na escolha de um parceiro e em fazer pedidos de materiais, é preciso manter um bom relacionamento com eles. Monitorar e avaliar seu desempenho é fundamental para manter o fluxo de produção.

A medição de desempenho de fornecedores é recorrente na literatura.

Diversos autores já sugeriram critérios de avaliação. É preciso a integração dos fatores que afetam o desempenho dos processos de fornecimento e, consequentemente, da organização, resultando em uma avaliação global do fornecedor

 

Os principais benefícios de um sistema de medição de desempenho de fornecedores são:

  • medição objetiva;
  • identificação de tendências de desempenho;
  • subsídio ao processo de seleção de fornecedores;
  • subsídio ao processo de reconhecimento do fornecedor;
  • aprimoramento dos processos de gestão de fornecedores.

 

De acordo com a literatura disponível sobre o tema, os indicadores mais usados na avaliação de desempenho dos fornecedores são:

  • entrega no prazo e na quantidade correta;
  • qualidade do produto;
  • conformidade de documentos (notas _scais, certi_cados etc.);
  • logística e capacitação técnica;
  • relacionamento comercial.

 

As revisões da performance do serviço prestado deverão ser avaliadas com frequência. Quanto mais importante o fornecedor, maior deverá ser a frequência e a extensão do relatório avaliado.



Deixe uma resposta